• MOÇAMBIQUE/NYUSI RENOVA PEDIDO DE APOIO À MEMBRO NÃO PERMANENTE DA ONU
LUDMILA MAGUNI

“O país reforçará a ideia de que o diálogo é um caminho fiável para a paz e segurança no mundo” – perspectiva Ludmila Maguni

A secretária de Estado na província de Inhambane, Ludmila Maguni, está confiante que se Moçambique for eleito para o Conselho de Segurança das Nações Unidas para o biénio 2023-2024 vai reforçar a pertinência do recurso ao diálogo para a paz e segurança no mundo.

A dirigente examina a intenção do país de se candidatar àquele órgão como membro não-permanente apegando-se a dois dos vários aspectos que considera fundamentais: a abertura ao diálogo para pôr fim a qualquer diferendo e o seu historial em processos de pacificação, desde a luta pela independência nacional e em relação à guerra civil.

“Moçambique sempre procurou olhar para aquilo que é a segurança dos países e garantir a protecção da população, que é um direito humano”, sublinha.

Ludmila Maguni destaca, igualmente, a diplomacia do país para garantir a paz, segurança e estabilidade do seu povo afectado pelo terrorismo na província nortenha de Cabo Delgado, um trabalho liderado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi.

A secretária de Estado refere-se, quanto a este aspecto, aos apoios internacionais conseguidos pelo país para combater o terrorismo, quer no campo de batalha quer no campo logístico ou de treinamento.

“Conseguimos trazer os países vizinhos para estarem connosco numa mesma plataforma em busca da paz e garantir segurança no nosso território”, afirma, vincando que o país pode partilhar com o mundo a ideia de as nações juntarem esforços no combate ao terrorismo, um fenómeno global.

“Pensamos que este engajamento interno e na região é um factor bastante importante para esta campanha do país para fazer parte do Conselho de Segurança da ONU, para onde quer levar a sua experiência na gestão de conflitos no país e na região. E pensamos que podemos contribuir para esta plataforma das Nações Unidas com o conhecimento que o país tem na gestão de conflitos”, frisa.

Além de reforçar a ideia de que o diálogo é um caminho bastante fiável para se conseguir ter paz e segurança num país, Ludmila Maguni acredita que a presença de Moçambique no Conselho de Segurança das Nações Unidas vai permitir que tenha mais experiência para continuar a lutar pela paz dentro do país, na região, no continente e no mundo.

Share on:
Anterior
_DSC2760
Nacional

Presidente da República quer mais mobilização de apoios para a candidatura do país ao Conselho de Segurança da ONU

Próxima
PHOTO-2022-04-22-07-29-06
Nacional

UA renova apoio à candidatura de Moçambique ao Conselho de Segurança da ONU

Leave a Reply

Your email address will not be published.